Lua nova, um novo ciclo sob a intensa profundidade de Escorpião

18 de novembro de 2017 Artigos, Lua Nova no comments

Aos dezoito dias deste novembro, encoberta momentaneamente pela fonte prima da luz do sistema solar, abrigada pela intensidade ofuscante dos raios solares, a Lua retira-se momentaneamente da noite, marcando o início de mais uma lunação. Interpondo-se entre o Sol e a Terra, a Lua conclui sua fase minguante, retornando ao ponto de conjunção astrológica ao Sol, em fase de Lua Nova.

Por volta das 09hs e 42min (horário de verão/São Paulo) neste dia 18, horário do Sol, recomeça um novo ciclo, o mês natural lunar, sob a intensa profundidade de Escorpião. Vinda de seu ingresso em Escorpião dia 16, sobre as vagas acesas de Júpiter e Vênus, a Lua une-se Sol aos 26 graus de Escorpião Tropical, produzindo forte impulso de transformação regeneradora. Onde a dimensão de tudo o que é mais verdadeiro começa a vibrar pelas ondas que formam o tecido do espaço tempo.

A intensidade de Escorpião se manifesta poderosa nesta lunação com Júpiter ainda soprando sobre Vênus poderes de sabedoria desde a conjunção do dia 13 passado, traduzidas em intensidade de enérgica renúncia de tudo o que já não é mais verdadeiro diante do eu que emerge do ser interior.

Na carta celeste para o momento da lunação, há uma intensa tensão reforçando a expressão Escorpiana, a reciprocidade de Marte na área de Capricórnio (M.C.), elevando-se em Libra, sob o olhar quadrado, gelado e profundo de Plutão, ascendendo no horizonte na área de Áries.

Nesta lunação o impulso (Escorpião) de ação equilibradora (Marte Libra) será profundo (Plutão). A necessidade de mover, retirar ou “limpar” tudo o que impede o fluxo natural de concretização da vontade, ou desejo, importante e significativo, será o norte. Pode ser que se descubra algo que seja muito importante a partir de agora, uma vontade profunda ou um desejo poderoso que estava escondido, e que emerge com força total neste momento. Será então que, a partir do reconhecimento dessa necessidade, se empreenderá (Marte ar cardinal) uma busca em sua área de ação através das relações da vida, que possam esclarecer mais o que a alma está pedindo. Para, posteriormente na sequência, realizar mudanças concretas (Plutão Capricórnio) de transformação que trarão importantes expansões pessoais (Júpiter Escorpião).

Expansões importantes (Júpiter) se darão através de transformações profundas e instintivas (Escorpião) que levem o ser em direção a sua verdadeira e plena expressão interior no eu exterior (Lua – Sol). A identidade do eu verdadeiro, na profundidade do ser, será projetada através da preservação da transformação e da renúncia total de tudo o que não é mais verdadeiro.

Sem intensidade, profundidade e verdade, nada é realmente real. Sentir de verdade que estamos vivos é o soco no plexo solar quando percebemos que sobrevivemos por um triz, é também a convulsão de perder o ser mais precioso. É sentir com cada célula do corpo que já não há mais tempo, que não há mais volta, e que agora é preciso suportar, com o que restou, para sobreviver de alguma forma. Marte noturno de Escorpião é a batalha interior de sobreviver a qualquer custo depois que Plutão destruiu tudo o que mantinha a alma de fora da vida.

A “over vibe” de Escorpião grita de forma muda e tão intensa que os alicerces do eu ficam trincados, e é então que recomeça (fixo) a busca preservativa por rochas ainda mais profundas e sólidas (Touro, do “outro lado”). É preciso sentir de forma visceral a experiência de estar vivo e consciente, para adquirir intensidade suficiente para saber que o eu existe, que é real e separado do todo, a fim de encontrar maior solidez interior.

É na área de Escorpião, a maior experiência de profundo êxtase e prazer que você lembrar, e a maior e terrível dor que você penou, e que pensou não poder suportar. É de intensidades, contrastes, fins e inícios, nascimentos e mortes, que Escorpião ecoa. Tudo o que traz a realidade nua e crua, que existe no âmago mais profundo do ser, e que faz sentido real, leva na direção da busca da alma nas rotas para os lados de Plutão.

Essa Lua nova de Escorpião, com Vênus e Júpiter, traz um ímpeto como uma saga de começar a transformar compulsiva e intensamente tudo o que impede a plena expansão do eu verdadeiro. Muitas vezes de forma libertária radical, os ângulos “iniciáticos cardinais”, com Urano Áries, co-regente da área de Aquário na carta, ponto presente Sol-Lua, impacta em orbe de afastamento Saturno Sagitário de casa de Peixes.

Claro que, tratando-se dos impulsos de Escorpião (Lua debilitada), o movimento de transformação expansão se dará tanto de forma positiva e produtiva, quanto, e diretamente proporcional, de forma negativa e destrutiva. Deve-se ter em pleno que Escorpião, com suas poderosas pinças que seguram tenazmente a vítima enquanto injeta o veneno que guarda em seu próprio corpo, necessita passar de forma total e plena por todo o processo de transformação, das sombras destrutivas e finais, à luz plena e total. Faz parte do processo de Escorpião viver tudo de forma absoluta. Apenas pensar em como pode ser, ou em como se sentiria, apenas ponderar ou refletir nunca é o suficiente, não é como estar lá e viver. Enquanto não viver tudo, do pior e mais sombrio, até o mais elevado, alto, claro e puro, não será possível saber com certeza qual o estado de espírito que o eu encontrará ao final. É vivendo o que se teme que se pode compreender o papel maior do eu na vida e na morte.

Aqui vai outra questão do fixo de água, a preservação obsessiva dessa intensidade toda, e de forma tão absoluta, durante muito tempo, transforma-se em compulsão desproporcional que causa desequilíbrio e desgaste dos centros de ação, força e criatividade do corpo. Assim, as áreas sensíveis de Escorpião que trazem a criação e a força, a renovação e a purificação, podem ser afetadas, tanto no sistema de energia, no chakra sexual, como nos sistemas físicos, reprodutivo e excretor. E de forma paralela na vida, afetar a capacidade do indivíduo de criar, gerar e se relacionar (chakra sexual) de forma equilibrada e positiva. Desde criar, gerar e gestar um novo ser, um bebê, passando por um projeto a um sonho de vida. Por isso que é comum que, Escorpianos que fixam no negativo do signo, perderem-se no controle obsessivo de tudo e todos, e também nas compulsões destrutivas. Mas é apenas mais uma morte, e mais uma vida, no processo infinito, poderoso e total da evolução de Escorpião.

Entre outras questões, há a intensificação dos processos de transformação em direção da cura (Escorpião), e da cura através da arte (Vênus). Também através da pesquisa e do conhecimento superior (Júpiter), mas com possíveis extremismos e fanatismos, com risco de ser escravo do que se acredita. A vontade inconsciente é um reservatório consistente muito difícil de esconder. Mas é somente depois do ferimento aberto que é possível constatar o aprendizado e o milagre do processo de cicatrização celular.

Analisando a regência do signo de Escorpião no natalício, e o grau 26, é possível detectar a área da vida do indivíduo que será afetada nesta nova lunação. Bem como as consequências que se darão na sequência das próximas fases deste período lunar, que começam agora na lua nova, desenvolvendo-se na lua crescente, atingindo o seu ápice na lua cheia, para a conclusão ou definição na lua minguante.

Durante uma lunação de escorpião aconteceu a Revolução Protestante

Foi uma Lua nova de Escorpião, ocorrida há 500 anos atrás, que trouxe a mais profunda e revolucionária transformação da história da religião no ocidente.

Conforme registros históricos, a data oficial da revolução protestante deu-se em 31 de outubro de 1517, quando Lutero pregou na porta da Igreja do Castelo de Wittenburg, Alemanha, suas 95 teses*, questionando publicamente de forma revolucionária a posição materialista tosca da igreja. Seu ato, motivado por sua profunda revolta diante da venda pública e aberta de indulgências (comprar o perdão divino dos pecados com dinheiro) a qualquer um que pudesse pagar, foi friamente calculado para causar o maior impacto possível, exatamente no dia de maior movimento na igreja.

A Lua Nova em Escorpião de 15 de outubro de 1517 ocorreu exatamente sobre Marte natal de Lutero, com incrível orbe de 1 minuto (1°15’ de Lutero/1°16’ Lua nova). Desencadeando o processo da concretização do impulso de transformação. Dois dias depois, a 17 de outubro, ocorre a revolução de Marte Escorpião de Lutero, nesta revolução Marte conjunta Sol na cúspide do M.C. oposto a Urano; Vênus/Mercúrio Escorpião. Foi então que, do dia 30 para 31 de outubro, exatamente após o ápice da Lua cheia de Touro, ponto máximo da lunação, torna-se efetiva, através do ato de Lutero, a Revolução Protestante.

Carta do dia oficial da Reforma Luterana: Sol e Marte em Escorpião oposto Urano, Saturno Sagitário uno eixo nodal conjunto Plutão. As 95 teses de Lutero correram por toda a Alemanha em apenas 14 dias da data de sua divulgação pública, encerrando a Lunação iniciada em 15 de outubro de 1517.

Foi movido por profunda revolta e intensos conflitos interiores que Lutero voltou-se furiosamente contra a Igreja, dando vazão a seu impulso premente de transformação em busca da verdade do seu eu interior.

A partir da publicação das teses, Lutero iniciou sua batalha pessoal contra a igreja e a toda a forma do ocidente enxergar a religião e a relação com Deus.

Lutero*, nascido sobre Sol, Marte, Vênus e Saturno em Escorpião e Lua em Áries, entrou para a igreja devido a uma promessa diante da morte. Em uma terrível tempestade, em 1505, após a queda de um raio que matou o amigo que estava ao seu lado, Lutero prometeu à Santa Ana que, se sobrevivesse, se tornaria monge. E assim foi, registra-se que mais tarde Lutero se arrependeu da promessa, mas como todo Escorpião, seguiu até as últimas consequências.

Após a publicação das teses, Lutero foi convocado pelo vaticano para prestar esclarecimentos, mas não compareceu. Posteriormente, foi excomungado, e reagiu queimando a bula de excomunhão na porta da igreja. Nunca se retratou e foi proscrito pelo imperador. Foram realizadas tentativas para assassiná-lo, mas sem sucesso.

Na luz e nas trevas, como apetece a Escorpião, Lutero realizou a tradução da bíblia, do hebraico e do grego para o alemão, abrindo as escrituras para o mundo. Casou-se com uma ex-freira com que constituiu família e teve seis filhos. Em constantes conflitos a cerca de sua missão, canalizava seu calvário em escritos e hinos. Sempre extremamente radical com a sua verdade, Lutero foi acusado de semear o antissemitismo, por propagar campanha contra os Judeus na Alemanha; da mais alta luz, passando pela destruição da mais profunda treva.

Martim Lutero faleceu na madrugada de 18 de fevereiro de 1546, em Eisleben, deixando a marca indelével de Escorpião no ocidente, na sua forma revolucionária de ver e praticar a religião e a relação com a fé, seus escritos, hinos e pensamentos influenciam até hoje a crença de milhões de Luteranos em todo o planeta.

*Agradecimentos especiais ao astrólogo Gerson Pelafski pelo auxílio da confirmação dos dados de nascimento da carta natal de Martim Lutero; e pelo convite do presidente da CNA Leonardo Lemos, para escrever este artigo.

*Fonte sobre a vida de lutero: www.luteranos.com.br

*Link para as 95 teses de Lutero: http://www.luteranos.com.br/lutero/95_teses.html

Sobre o Autor

Astrólogo, escritor e professor holístico. Ministra cursos de astrologia, cristais e xamanismo. Professor na Escola Raphael em Porto Alegre/RS. Palestrante em diversos espaços abordando temas de espiritualidade e autoconhecimento, destaque para palestras regulares na Universidade Luterana ULBRA Canoas.
Atende em consultas de astrologia no sul, e em todo o Brasil via internet. Iniciou estudos astrológicos com Bola Harres em 1994; posteriormente completou seus estudos astrológicos de forma autodidata.
Trabalhou como técnico de fotografia Kirlian captando e analisando fotos aura, orientando centenas de pessoas com base na Kirlinagrafia em espaços de Porto Alegre e clínica neurologia em Novo Hamburgo/RS.
Estudou extensivamente a cura pelos cristais de todo o mundo por 16 anos, aluno coordenador dos cursos do renomado mestre Antônio Duncan. Com sua experiência escreveu livro “Cristais Os Mestres da Luz” Ed. Divina presença, obra que se tornou referência em sua área.
Estudou xamanismo em locais sagrados da América do Sul, e budismo, sendo aluno e iniciado do lama tibetano Chagdud Tulku Rinpoche.
Parceiro do Ministério do Turismo de Porto Alegre, ministra a oficina de turismo criativo “Cristais e Minerais do Sul”. Ecologista e técnico ambiental com qualificação em direito ambiental, publicou segundo livro em 2013 “O Caçador de Arco-Íris”, Ed. Divina Presença. Escreve artigos sobre espiritualidade no portal “Somos Todos Um”.

Join the discussion

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *