Perguntas Frequentes

1. Para que serve a Astrologia?

A principal função da Astrologia é contribuir para o autoconhecimento, revelando-nos a nós mesmos e auxiliando a compreender como se dá o nosso processo de desenvolvimento e integração pessoal. Através da observação do movimento dos astros e sua relação com nosso movimento individual, com o estudo do mapa astrológico e outros cálculos aplicados a ele (trânsitos, direções, progressões e revoluções) é possível identificar e trazer à tona nossas qualidades mais positivas, descobrir chaves para transformar as áreas de dificuldade, assim como os períodos e fases em que os processos ocorrem na linha de tempo. O mapa astrológico apresenta um fluxo contínuo de informações, constituindo um notável instrumento para o indivíduo conectar-se consigo mesmo e manter-se em sintonia com suas potencialidades.

2. O que é Ascendente?

É o signo que estava ascendendo, subindo no horizonte oriental (Leste) no momento e no local do nascimento (ou do início de outro evento). Representa a forma básica de expressão do indivíduo, como nasce para a vida, como inicia as coisas, como percebe a existência e como age no mundo, focalizando sua energia. Também tem a ver com a aparência física, o impacto que causamos nos outros e com a vitalidade.

3. É verdade que, depois dos 30 anos, o Ascendente é que passa a reger a nossa vida?

Como o Ascendente tem a ver com nossa expressão em relação ao externo, é natural que, com o passar do tempo, suas características fiquem mais definidas e aparentes e se tornem mais conscientes para nós, mas isso não significa uma predominância sobre o Signo Solar ou qualquer outro posicionamento. O processo evolutivo está ligado, na verdade, em chegarmos cada vez mais perto do Sol, ficarmos mais centrados, iluminando todas as partes de nosso ser, a partir desse centro.
No período entre 28 e 30 anos, ocorre um ciclo planetário bastante importante, o Retorno de Saturno. É como um divisor de águas, uma passagem para outra fase da vida, e tem muito a ver com o fato de nos sentirmos diferentes a partir dessa época. As implicações desse trânsito são diversas e muito profundas, pois estão ligadas a estrutura de nosso ser e a nossa história de vida. Pode ser um período de grandes mudanças (internas e externas) e o seu impacto se relaciona a forma como a pessoa tem vivido sua vida até este momento. Há questionamento, reflexão e decisões: é uma fase de conclusão e de novos começos.

4. Diz-se que os signos no Brasil (Hemisfério Sul) estão todos trocados, que deveriam ser ao contrário dos signos no Estados Unidos e na Europa (Hemisfério Norte). Por exemplo, se alguém nasce no Brasil em 25/5 é do signo de Gêmeos, mas deveria ser de Sagitário. Isso é verdade?

Volta e meia aparece alguém com alguma teoria para criar polêmica em torno da Astrologia, mas ao fim e ao cabo se revelam inconsistentes diante de um conhecimento de mais ou menos 6000 anos e que funciona tão bem…
Essa teoria de “astrologia ao contrário” propõe que os signos no Hemisfério Sul do globo terrestre são opostos aos no Hemisfério Norte, baseando-se na relação simbólica dos signos com as estações do ano. Como as estações num hemisfério e outro são opostas, assim também deveriam ser os signos. Há certa lógica neste raciocínio, mas que se invalida por apresentar um grande equívoco astronômico: não importa se estamos no sul ou norte da Terra, as posições dos signos zodiacais são as mesmas.
O zodíaco astrológico é uma faixa, na esfera celeste, localizada ao longo do caminho do Sol (visto da Terra) e dividida em doze seções de 30º de extensão, os signos. Para ficar mais fácil de visualizar, imaginemos uma laranja como sendo a Terra e o zodíaco como uma cinta ao redor da laranja. Se colocarmos, paralelamente, um alfinete na parte de cima da cinta (Hemisfério Norte) e outro na parte de baixo (Hemisfério Sul), logo veremos que estes indicam as mesmas partes da cinta, ou seja, os mesmos signos.
O simbolismo dos signos apresenta ligação com as estações do ano e ciclos da natureza, seguindo a ordem em que ocorrem ao norte da Terra, começando com Áries e a Primavera. É bom lembrar que os fundamentos do conhecimento astrológico foram desenvolvidos numa época em que se vivia em forte contato e total dependência dos fenômenos naturais, por habitantes do Hemisfério Norte, e que relacionaram os movimentos dos astros com sua experiência direta.
Não podemos estabelecer esta mesma ligação na face sul do planeta, mas devemos adaptar às nossas estações. Este é o único ponto de diferença do ponto de vista do simbolismo astrológico para o Sul e o Norte. O significado essencial do simbolismo, contudo, permanece, levando-se em conta que, apesar das diferenças, o aspecto subjetivo da experiência é semelhante. No Hemisfério Norte o inverno rigoroso tem um aspecto mortificante, extinguindo a vegetação, com frio extremo, neve, longas noites, pouquíssimo Sol. Não poderíamos dizer o mesmo do calor extremo no Hemisfério Sul que, assim como frio, queima a vegetação e leva à desertificação? Assim como os seres do norte aguardam ansiosamente as flores e luzes primaveris, não anseiam os seres do sul pelo frescor e ventos outonais?

5. Por que os horóscopos começam com Áries e não com Capricórnio, que é o signo do mês de janeiro?

Os horóscopos começam com Áries porque o ciclo astrológico está relacionado ao ciclo solar. O Ano Solar inicia com o ingresso do Sol no signo de Áries.
A entrada do Sol em Áries, grau zero, coincide com início do Outono no Hemisfério Sul e da Primavera no Hemisfério Norte, designados Equinócio de Outono e Equinócio de Primavera, respectivamente. O grau zero do signo de Áries, na Astronomia chamado de Ponto Vernal, é o ponto onde o Sol passa pelo Equador, iluminando igualmente as duas partes do globo terrestre e fazendo com que o dia e a noite tenham a mesma extensão.
Esse é um momento muito importante do ciclo solar e terrestre, pois assinala o início do Ano Novo Solar. Baseia-se em princípios astronômicos e tem relação com as forças da natureza, o que não acontece com o calendário arbitrário que utilizamos normalmente, que marca o início do ano em 1º de janeiro. No Brasil, o ingresso do Sol em Áries, o Ano Novo astrológico, ocorre predominantemente no dia 20 de março, mas eventualmente pode se dar no dia 21.

6. Por que os astrólogos dizem que meu signo é Virgem se a constelação que regia a data do meu nascimento era a de Leão?

Existem dois zodíacos: o “zodíaco sideral”, composto pelas constelações e o “zodíaco tropical” ou “zodíaco móvel”, composto pelos signos astrológicos. Sempre que falamos em signo astrológico, não estamos nos referindo às constelações com o mesmo nome, mas sim ao arco de círculo de 30 graus, à zona da Eclíptica (caminho do Sol) compreendido por este signo. Os signos têm tamanhos iguais (30°) e as constelações têm tamanhos diferentes.
Na Astrologia Ocidental utiliza-se o “zodíaco tropical” ou “zodíaco móvel”, que está relacionado aos ciclos da natureza. O zodíaco tropical começa no grau zero do signo de Áries, ponto onde o Sol, em sua rota anual, cruza o Equador Celeste no Equinócio de Outono no Hemisfério Sul ou Equinócio de Primavera no Hemisfério Norte. Tal variação ocorre devido a um dos quatro movimentos da Terra, a Precessão dos Equinócios, semelhante ao giro de um pião, que faz com que esse ponto, o zero de Áries astrológico e “ponto vernal” astronômico, se desloque para trás em relação às constelações. Atualmente, o início de Áries está localizado próximo ao início da constelação de Peixes (mais ou menos 6 graus). O mesmo acontece com o início dos outros signos, cada um situado em aproximadamente 24 graus para trás em relação às constelações.

7. Há gente que não consegue acreditar em Astrologia. Como convencer alguém assim a crer em Astrologia?

A Astrologia não se trata de uma crença e, portanto, não é algo para termos fé ou não, para acreditarmos ou não. A Astrologia é um ramo muito antigo do conhecimento (tem mais ou menos 6 mil anos), mãe de muitas ciências, sobretudo a Astronomia, e se utiliza de dados matemáticos que descrevem os posicionamentos planetários, uma realidade concreta.
O que muito da comunidade científica não aceita é a relação de correspondência entre os eventos celestes e terrestres. Na visão astrológica, tudo no universo está relacionado, a Terra tem uma relação natural e inseparável com o sistema solar de que faz parte. Dentre as forças planetárias mais evidentes, está a relação da Lua e suas fases com as marés oceânicas, ciclos biológicos diversos e as marés emocionais humanas.
Uma boa maneira de verificarmos o funcionamento da Astrologia é fazermos o nosso próprio mapa astral, fazer a experiência e observar os resultados: é surpreendente o quanto o nosso mapa astrológico pode nos revelar a respeito de nós mesmos e ampliar a nossa consciência, contribuindo para um maior aproveitamento de nosso potenciais e nosso processo evolutivo.

8. Como se explica o fato de pessoas do mesmo signo, que nasceram na mesma data, e até mesmo os gêmeos, às vezes serem tão diferentes?

O fato de duas pessoas nascerem no mesmo dia, portanto sob o mesmo signo, por si só não é um indicador para que tenham personalidades iguais ou mesmo semelhantes. Outros fatores astrológicos, tais como seu Ascendente, posição da Lua e outros astros, assim como os ângulos que estes formam entre si, são necessários para delinear um perfil astrológico. Em alguns seres, as características do signo solar são mais evidentes do que em outros, o que também pode aparecer mais ou menos conforme a fase da vida e de como a pessoa escolhe direcionar as energias que estão a sua disposição.
Os gêmeos nascem com alguns minutos de diferença, o que é suficiente para apresentarem posicionamentos astrológicos diferentes, desde o Ascendente, casas e outras configurações astrais. Pesquisas astrológicas demonstraram que, com grande freqüência, situações acontecem primeiro ao gêmeo que nasceu antes e depois ao que nasceu em segundo, terceiro lugar. Há eventos, todavia, que acontecem apenas a um dos gêmeos. Existem, ainda, os “gêmeos astrológicos”, não irmãos, que nasceram na mesma hora e local, e que apresentam enormes semelhanças, em diversos níveis, até mais do que entre gêmeos irmãos.
Não é só a diferença de minutos no horário de nascimento, porém, que faz com que alguns gêmeos não sejam nada parecidos em suas atitudes, interesses, experiências, é que as pessoas não respondem da mesma forma a todas as energias que as atingem. Reagimos e nos manifestamos conforme características astrológicas, genéticas, ambientais, sociais, etc., mas além de tudo temos o livre-arbítrio.
Sempre é bom lembrar que a Astrologia inclina, mas não determina. Se nascemos em um determinado momento, lugar e circunstância, é porque nossa energia individual sintoniza com as mesmas forças atuantes nesse tempo e espaço. O mesmo potencial está à disposição, mas cada um dispõe desse potencial a sua própria maneira.

9. A influência dos astros determina o que uma pessoa é?

Os astros e seus movimentos correspondem a nós, têm uma conexão conosco, mas não determinam o que somos. O fato de termos nascido sob um signo, ter o Ascendente ou vários astros nessa posição não quer dizer que somos aquilo. Significa apenas que neste ou naquele signo está um núcleo de potencialidades. O mapa de nascimento (mapa astral) é uma representação desse potencial: é dinâmica e cresce conosco, assim como a semente se abre e cresce até se tornar uma planta, ter flores, frutos e lançar novas sementes reiniciando o ciclo infinito da natureza.
Cada etapa do ciclo da vida está simbolizada no ciclo zodiacal. A carta natal de um indivíduo revela aspectos de seu processo de crescimento e como pode se dar sua evolução pessoal. Cada um de nós está em constante mutação e o nosso campo energético se amplia e se expande, transformando e interferindo na vida ao nosso redor: tudo o que nos acontece é uma extensão de nós mesmos, forças que se materializam, como uma magnífica engrenagem articulando o trabalho da criação. Nós construímos o nosso destino.

10. Há gente que não se identifica com as características de seu signo: por que isso acontece?

O que é popularmente conhecido como sendo o nosso signo é a posição do Sol no dia, mês e hora de nascimento. Apesar de toda a força do Sol, este é apenas um de nossos posicionamentos astrais. Toda a configuração astrológica de nosso momento de nascimento é igualmente importante e forma uma unidade em que todas as partes estão inter-relacionadas. É bom lembrar que além da localização do Sol temos características dos 12 signos, conforme a posição da Lua, 8 planetas, Ascendente, etc. nos diferentes setores e momentos de vida. Passamos por várias fases e ciclos pessoais que se relacionam a ciclos e trânsitos planetários e, conforme o período e a idade que temos, podem colocar em relevância um ou vários pontos do mapa e, assim, alguns de nossos modos de ser ficarem mais ou menos acentuados ou visíveis.

11. A astrologia pode prever o futuro?

Através da Astrologia, com o estudo do movimento dos planetas, do Sol e da Lua, podemos identificar quais as tendências, os caminhos da energia, em qualquer período de tempo. É importante sublinhar que os fatores astrológicos não são determinantes. A Astrologia é uma linguagem que descreve os movimentos dos astros e estuda a sua relação com os eventos terrestres, na verdade, uma correlação: a essência dos acontecimentos celestes e terrestres é a mesma. Enfim, pode-se verificar o tipo de forças que atuam em um momento, mas não se pode dizer se isso se manifestará no plano objetivo, subjetivo, ou em ambos. Existem tais e tais energias à disposição, mas nós é que decidimos o que fazer com elas. Pessoas diferentes lidam com as mesmas configurações de maneira diferente.

12. Há como superar as dificuldades e características negativas apresentadas no mapa astral ou é preciso se conformar com elas?

Temos o poder de superar todas as nossas dificuldades. Tudo depende de nosso nível de consciência e nosso empenho em realizar as mudanças necessárias. Neste sentido está a contribuição da Astrologia, pois seu propósito essencial é o autoconhecimento. Através de nosso mapa astrológico podemos identificar as forças que atuam em nós, quais são nossas potencialidades, talentos, capacidades, inclinações dificuldades, resistências, etc., ajudando a nos tornarmos mais conscientes de nós mesmos. Tais forças não são impostas de fora, não são fatores externos, e sim forças internas sobre os quais somos agentes e não entes passivos.
Não são os astros ou os signos que determinam que sejamos assim ou assado. Existe uma conexão entre as energias da configuração de nosso mapa astral e a nossa energia pessoal. A Astrologia é uma linguagem que descreve a configuração dessas energias. O conhecimento de nosso mapa astrológico e das forças simbolizadas pelos astros e signos pode nos auxiliar no processo de autoconhecimento e nos auxiliar a evoluir e nos transformarmos. De maneira alguma devemos nos conformar com características que consideramos negativas em nós, independente se são ou não traços de nosso signo. No entanto, não é lutando contra o que somos e sim nos observando, compreendendo, aceitando e tomando atitudes que podemos mudar.

13. Quando nada dá certo para alguém, será que isso é carma?

Quando se fala em carma (do sânscrito “karma”) deve-se esclarecer que esta palavra indiana significa “ação” e está ligada à idéia de causa e efeito. Sendo assim, tudo é cármico, pois tudo o que fazemos gera uma reação, da mesma forma que nós mesmos, nossa existência, somos o resultado de uma ação.
Popularmente, dentre os ocidentais, essa expressão em geral é utilizada de forma errada e confusa, referindo-se a algo penoso, um fardo, algo ruim que nos é imposto e diante do qual não temos saída. Não é bem assim: podemos e devemos mudar as coisas, interferir e alterar o processo. O mapa astrológico é um instantâneo das posições astrais do momento de nosso nascimento, é a descrição, em linguagem simbólica, de nosso carma. Se nascemos neste momento é porque a energia de nosso ser total tem afinidade e sintonia com as forças planetárias presentes. Não são as energias fora de nós, mas sim as energias dentro de nós que fazem o que somos.

14. O que é inferno astral?

Inferno astral é uma expressão popular (e não um termo técnico da Astrologia) que se refere ao período (mês) que antecede o aniversário. Essa expressão dá uma conotação negativa para essa fase que não é necessariamente ruim… o inferno de nossas vidas é a gente mesmo que faz.
Como estamos fechando um ciclo, preparando-nos para viver um novo nascimento, é natural que fiquemos mais sensíveis, mexidos emocionalmente e mais pensativos, fazendo balanços, avaliações e tomando resoluções. Seria algo como as dores do parto. Crescer, se transformar e evoluir é algo que exige muito da gente. É importante afastarmos as idéias negativas da nossa cabeça, pois, nesse mês antes do aniversário, podem acontecer coisas especialmente boas e significativas.
Na minha experiência pessoal e em minha prática astrológica (desde 1978), tenho visto grandes momentos e coisas muito boas acontecerem às pessoas neste período.

15. Como faço para saber em que signo a Lua se encontra?

Para verificar a posição da Lua por signo e fase, pode-se usar as “efemérides”, que são tabelas de posições astrológicas, consultar um astrólogo, utilizar softwares de Astrologia ou entrar no sitewww.amandacosta.com.br, onde forneço tabelas com configurações astrológicas diversas. No final deste livro, no Apêndice, você encontrará tabelas com as posições para o período de novembro de 2003 a dezembro de 2004.

16. Se ouve falar que não é bom fazer mudança de residência na Lua Minguante. Por quê?

Realmente, a Lua Minguante não é o melhor momento para mudança de residência (ou para outro tipo de mudanças), pois é a fase final do ciclo lunar, um período de conclusão, de reavaliação e interiorização. Para mudanças e começar coisas novas, de forma geral, convém utilizar a Lua Nova, pois é o início do ciclo, repleto de possibilidades, fértil e vigoroso.

17. Qual é a melhor fase da Lua para cortar o cabelo?

Por sua relação com os ciclos de vida, verifica-se a relação das fases da Lua e o crescimento dos pêlos e cabelos. A melhor fase para o corte dependerá de qual a intenção e necessidade: se o cabelo está fraco, se há queda, se queremos que ele cresça rápido, etc.
Na fase Nova, o início do ciclo, há renovação e revitalização e também aceleração do crescimento do cabelo. A Crescente, como o nome diz, estimula o crescimento, que se torna ainda mais acelerado e, dessa forma, ajuda a eliminar tinturas e outros processos mais rapidamente. Na Lua Cheia, o corte faz com que o cabelo cresça mais cheio e mais volumoso. Por fim, na Minguante, o crescimento é mais lento e o corte ajuda a manter a forma, a fortalecer e enraizar. O corte na Minguante é ótimo para quando há queda de cabelos e o cabelo está fraco.
Na minha experiência prática com clientes e com meu próprio cabelo, observo que o corte freqüente (cortar pontinhas por, no mínimo 4, 6 meses seguidos) na mesma fase lunar de nosso nascimento é excelente, fortalecendo e deixando o cabelo mais forte, bonito e com brilho. Para descobrir qual a fase em que a Lua estava quando nascemos, há duas maneiras: ou consultar um astrólogo, que obterá dados precisos através de nosso mapa astrológico, ou consultando calendários da data de nascimento que mostrem as fases da Lua daquele ano.

18. A Astrologia pode auxiliar alguém que tenta engravidar e não consegue?

Além do período fértil feminino que contamos entre 10 e 20 dias após a menstruação, há, do ponto de vista astrológico, outro período fértil indicado pela fase lunar do nosso nascimento. Todos os meses, esse momento fértil se repete. Foram feitas muitas experiências e pesquisas, observando o funcionamento desse mecanismo, comprovando sua eficácia e com muito sucesso nos resultados. Para obter essa informação e montar uma tabela individual, é necessário consultar um astrólogo.

19. A Lua influencia o sexo dos bebês?

Pesquisas realizadas para examinar a relação astrológica com o sexo dos bebês demonstraram que há uma conexão entre o sexo e a polaridade do signo em que a Lua transitava no momento da concepção.
No ciclo astrológico há uma alternância de polaridade, yang/yin, masculino/feminino. Áries, o primeiro signo, é masculino; Touro, o segundo, é feminino e assim por diante. Uma maneira mais fácil de identificar é através do elemento ao qual o signo pertence. Os signos de Fogo e Ar são yang/masculinos e os de Terra e Água yin/femininos. Fogo: Áries, Leão, Sagitário; Ar: Gêmeos, Libra, Aquário; Terra: Touro, Virgem, Capricórnio; Água: Câncer, Escorpião e Peixes.
O que torna complicada a utilização desta técnica é saber quando exatamente houve a concepção, afinal o casal costuma estar bastante ocupado para lembrar de fazer anotações…

20. O que é Lua fora de curso?

Lua fora de curso é quando a Lua, ao mudar de um signo para o signo seguinte, não forma aspecto (ângulo) significativo com nenhum outro astro. A duração deste período é muito variável, pois depende do horário em que a Lua formou o último aspecto com um planeta ou o Sol antes de sair de um signo e entrar no próximo. Pode durar poucos minutos ou muitas horas, um turno, um dia inteiro e até ficar fora de curso em um dia e voltar ao curso normal só no dia seguinte. (Veja a explicação completa no Capítulo Papo de Lua, na pág. XXX)

21. O que é Lua Azul?

Lua Azul é quando ocorrem duas Luas Cheias, uma no início e outra no final de um mesmo mês. Essa situação é bastante rara de acontecer, mas o termo não tem significado astrológico, pois a referência é o calendário, que é arbitrário, sem qualquer relação com os ciclos da natureza ou dos astros.

22. O que é mapa astral?

O mapa astral é o levantamento das posições dos astros num determinado momento e lugar do planeta Terra. Sua representação gráfica é feita em um círculo, reproduzindo a posição dos planetas, do Sol e da Lua, movendo-se ao longo da faixa zodiacal, vistos de um determinado ponto na Terra, numa determinada hora.
Mapa astral é a denominação mais popular de mapa astrológico, também é designado radical e horóscopo, este último mais usado pelos astrólogos e que expressa melhor o significado do termo. A palavra horóscopo tem sua origem no grego horóskopos, “ver a hora”. Em um horóscopo, vemos como estava o céu daquela hora. Os termos carta natal e mapa natal também referem-se a esta mesma ferramenta astrológica, só que exclusivamente para os mapas de nascimento de um indivíduo.
Os posicionamentos astrais compõem um padrão comum com um evento que ocorre simultaneamente na Terra: o nascimento de um bebê ou outro ser vivo, a fundação de uma cidade, uma conferência, um terremoto, um encontro amoroso, a assinatura de um contrato, uma guerra etc. Este padrão reflete uma relação íntima e indissociável, representada no mapa astrológico por meio de imagens simbólicas que reproduzem princípios universais. Na terra ou no céu, o mesmo princípio.
Cada um é único nesse vasto Universo, uno em sua diversidade. Na diversidade dos seres, cada um tem uma impressão própria e particular – a estrutura do DNA é prova disso. A carta natal e os processos com que opera, através dos ciclos planetários, também é assim: é pessoal e intransferível, é só seu.

23. Como o mapa astral de uma pessoa pode ajudar na sua vida?

A principal função da Astrologia é contribuir para o autoconhecimento. Através da observação do movimento dos astros comparado ao nosso movimento individual, auxilia a compreender como se dá o nosso processo de desenvolvimento e integração pessoal.
Com o estudo do mapa astrológico e outros cálculos aplicados a ele, tais como trânsitos, direções, progressões e revoluções, é possível identificar o conjunto de nossos potenciais, nossas qualidades mais positivas, descobrir chaves para transformar as áreas de dificuldade, assim como as etapas e fases em que os processos ocorrem na linha de tempo, desde ciclos diários até ciclos mais amplos. Para fazer um mapa astrológico é necessário a data completa (dia, mês e ano), o horário e o local do nascimento ou evento.
Além de conhecer a nós mesmos, através da Astrologia e do mapa astral é possível conhecer também o mundo que nos rodeia e as outras pessoas, entendendo o mecanismo e as forças que operam sobre todas as coisas. Pode-se fazer mapas astrológicos de relacionamento (amoroso, familiar, amizade, profissional), de nações, cidades, empresas, viagens, inauguração de um ponto comercial, assinatura de documentos, empreendimentos diversos, enfim, de qualquer situação no planeta Terra.
(Veja também a pergunta anterior)

24. O que é necessário para fazer um mapa astral?

Para fazer um mapa astrológico é necessário a data completa (dia, mês e ano), horário e local do nascimento ou evento.
O mapa astral pode ser calculado manualmente com o uso de tabelas astrológicas ou através de softwares de computador.

25. Quando se não se sabe o horário de nascimento, é possível fazer o mapa astral?

A rigor, sem o horário de nascimento não é possível fazer o mapa astral. Há, entretanto, uma técnica astrológica chamada “retificação”, através da qual pode-se chegar a este horário. Esta é também a técnica utilizada para corrigir o horário de nascimento, quando este é considerado duvidoso.
Para fazer o acerto de hora, o astrólogo deve proceder a uma análise cuidadosa dos traços de personalidade da pessoa e um exame retrospectivo de eventos importantes que marcaram sua vida, relacionados a ciclos astrológicos. Simplificando, faz-se um estudo comparativo de posições astrológicas e períodos e datas em que fatos significativos ocorreram na vida da pessoa. Se há alguma idéia da hora ou, ao menos, o turno em que nasceu, facilita muito as coisas.
É um trabalho minucioso e que demanda, além de domínio das técnicas de cálculo e conhecimento profundo de Astrologia, muita intuição, sensibilidade e empatia em relação a pessoa.

26. Se há divergência entre o horário de nascimento que consta na certidão do cartório e horário lembrado pelos familiares, como ter certeza de qual a hora a pessoa nasceu?

Ver a resposta da pergunta anterior.

27. Quem nasce no dia da mudança de signos, a que signo pertencerá?

O limite das datas de mudança de signos é flexível, variando conforme o ano e o local. Nos dias de mudança de signo, as horas do dia são divididas (em partes diferentes) entre dois signos. Esses horários mudam nas diferentes partes da Terra, inclusive no mesmo país.
O período de um signo astrológico é relacionado à passagem do Sol pela região do céu que compreende esse signo. A duração é em torno de 30 dias, mas pode variar, assim como o horário em que inicia e termina. Convém lembrar que a duração de um ano é de mais de 365 dias (daí os bissextos, para compensar) e que nosso calendário é arbitrário, instituído por decreto do Papa Gregório, uma autoridade terrestre e não cósmica, pois não está em sintonia com os ciclos da natureza.
Um dos casos mais complicados é a data da mudança dos signos de Aquário, Peixes e Áries. Nos anos em que há horário de verão pode ficar ainda mais confuso. Em 2001, por exemplo, o Sol entrou em Peixes (portanto quando esse signo iniciou) no dia 18/2 às 11h28min. Em 2002 entrou no dia 18/2 às 17h13min. Às vezes, entra no dia 19/2. Algumas pessoas que nascem no dia da mudança são de Aquário, outras de Peixes, dependendo da hora e local do nascimento. Sobre o final de Peixes, há anos em que termina em 20/03, outros 21/3, dependendo do horário em que o Sol entra em Áries, o signo seguinte. No Brasil, geralmente é 20/03. Em 2003, Áries entrou às 21h59min do dia 20/3.
Quando uma pessoa nasce no dia de mudança de signo, para se ter certeza de qual é o seu signo há que verificar a que horas o Sol entrou ou saiu daquele signo no dia/mês/ano e cidade e comparar com seu horário de nascimento. Segundos podem fazer a diferença. Tudo isso é matematicamente estudado.

28. Por que os signos aparecem com datas diferentes em alguns horóscopos? A data referente ao signo de Aquário não vai até 20 de fevereiro? Em alguns jornais, revistas e sites consta 19/02.

O período de um signo astrológico é relacionado à passagem do Sol pela região do céu que compreende esse signo. A duração é em torno de 30 dias, mas pode variar, assim como o horário em que inicia e termina. E, mais, esses horários mudam nas diferentes partes da Terra, inclusive no mesmo país. Nos dias de mudança de signos as horas do dia são divididas (não igualmente) entre dois signos.
Enfim, tais datas variam conforme o ano e local. Quanto às datas utilizadas nos horóscopos, é preferível dar margens maiores do que excluir alguém que possa ter nascido naquele signo. Ainda assim não há como contemplar a todos, só o cálculo do mapa astral da pessoa pode resolver o dilema.
(Para saber mais, leia a resposta à pergunta anterior)

29. Quem nasceu no primeiro dia de seu signo, tem características do signo anterior? E quem nasceu no último dia de um signo, tem características do próximo signo?

Uma pessoa pode apresentar algumas características do signo seguinte e/ou do anterior, tendo nascido nos dias próx

Perguntas extraídas do livro “O Cosmos e Você”, de Amanda Costa – associada da Regional RS
Capítulo: “Tudo que você sempre quis saber sobre Astrologia e nunca teve pra quem perguntar”

Associe-se

Associe-se Apoie a Astrologia Nacional

Astrólogos associados

O espaço dos associados da CNA

Mercúrio Direto