Eclipse Lunar de 16 de Agosto de 2008

27 de janeiro de 2011 Artigos, Diversos: até dezembro/2009 Comentários desativados em Eclipse Lunar de 16 de Agosto de 2008

A Terra se posiciona entre o Sol e a Lua lançando sua sombra sobre o disco lunar que atinge sua fase cheia no signo de Aquário. Assim, o céu se descortina sobre nossas cabeças, apresentando o maravilhoso espetáculo de mais um eclipse.

No cenário, observamos de um lado o Sol, domiciliado e bem à vontade no majestoso e imponente signo de Leão, seguido por Saturno, Mercúrio, Vênus e Marte em trajes singelos e impecavelmente alinhados na longitude zodiacal virginiana. Do outro lado do palco, a Lua, cheia e esplendorosa, conjunta a Netuno e próxima a seu Nodo Norte, no libertador signo de Aquário.

Uma vez que os eclipses simbolizam a interação entre o Sol, a Lua e a Terra, podemos supor que estas épocas representam oportunidades para se usar o passado e o presente para construir um futuro mais criativo. Assim, somos desafiados a uma mudança de hábitos e comportamentos, seja na maneira de agir, pensar ou sentir desvencilhando-nos de qualquer influência limitadora e inibidora desta nova direção.

No entanto, que mudanças este eclipse estará realmente exigindo de nós?

O Sol em Leão serve ao propósito divino pedindo maior conexão com nosso Eu superior, nosso centro, nossa essência. Servir ao propósito divino é servir ao Coração, é ouvir nossa criança interior e brincar com ela. Servindo ao Coração ficamos de bem com a vida e com os outros e alcançamos a cura para todos os nossos males.

Júpiter em Capricórnio, aspectando Saturno, Mercúrio e Vênus no signo de Virgem, mostra que a sabedoria será encontrada na moderação, quando aprendermos a valorizar o outro com suas imperfeições e diferenças, com generosidade e confiança ao invés de críticas e exigências e comprometendo-nos a aceitar os outros – assim como nós mesmos – como realmente são.

Uma vez que a Lua representa nossos condicionamentos passados, nossos hábitos e reações instintivas e o Sol o presente e nosso propósito consciente, durante um eclipse lunar o presente tenderá a apagar o passado, ou seja, o obscurecimento temporário de nossos sentimentos arraigados e hábitos condicionados é momentaneamente sobrepujado pela luminosidade solar trazendo a consciência da mudança e possibilitando a concretização de qualquer movimento iniciado na Lua Nova anterior a esta fase.

No entanto, algumas vezes, as mudanças e o redirecionamento se tornam ainda mais penosos quando temos um eclipse lunar de Nodo Norte posterior a um eclipse solar de Nodo Sul. Neste caso, a força da Lua ocupa o pólo positivo do eclipse reforçando os condicionamentos e hábitos passados numa atitude muitas vezes reacionária e contrária às mudanças e ao movimento posto em prática por ocasião do eclipse solar anterior. Isto porque, no simbolismo astrológico, o Nodo Norte representa o fator positivo e criativo, trazendo um enorme poder de projeção e um significado expansivo a qualquer planeta tocado por ele. Portanto, se a Lua toca essa força positiva é como se duplicássemos sua força de contenção e apego ao conforto do que já é conhecido.

Desta maneira, encontramos uma energia lunar disseminadora e desintegradora e avessa ao poder centralizador e conscientizador do Sol em Leão. Encontramos uma necessidade irracional de liberdade a qualquer custo e um medo inconsciente de pertencimento. As necessidades pessoais se misturam com as necessidades do grupo e o sentido de identidade se distancia cada vez mais.

Mas, como tirar proveito deste campo de batalha?

Integrando os opostos. Percebendo que podemos pertencer ao grupo sem, no entanto, perder a própria identidade. Participar, sem se dissolver. Ajudar, sem se sacrificar. Com tantos planetas retrógrados neste cenário (Júpiter, Urano, Netuno e Plutão) somos incitados ainda mais a rever, reavaliar, repensar e redirecionar nossas atitudes, crenças e ideais. Mais uma vez o céu aponta a direção para a cura. Plutão em Sagitário em trígono com o sol e sextil com a Lua nos apresenta a oportunidade da transformação: buscando a Verdade dentro de nós mesmos, no mais profundo de nosso Ser. Somente encarando nossos mais profundos temores e inseguranças conseguiremos vencê-los e conseqüentemente, libertarmo-nos deles abrindo-nos ao novo e às novas possibilidades…

Daniella Rossi é astróloga com atendimentos em SP e SC. Para conhecer o perfil completo de Daniella, clique aqui.

Sobre o Autor

Graduada em Direito pela Universidade de São Paulo – USP , pós-graduanda em Psicologia Transpessoal e terapeuta integrativa especializada em Terapia Craniossacral e cura de trauma (Somatic Experiencing®). Dedica-se ao estudo da Astrologia desde 1986 quando participou do Instituto Delphos\SP iniciando seus trabalhos em parceria com psicólogas e conciliando a abordagem astrológica como excelente auxiliadora de diagnósticos precisos e sensíveis. A partir daí desenvolveu uma linha de trabalho humanista e integrativa. Docente em Astrologia facilita grupos, palestras e workshops na área Astrológica e Transpessoal. Atualmente coordena a Casa do Sol – núcleo de cursos e terapias transpessoais em Florianópolis\SC, desenvolve a Astroterapia (terapia em grupo que utiliza a Astrologia Karmica e as Constelações Sistêmicas como base de seu trabalho) e participa como Terapeuta Integrativa no Hospital Universitário da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina). Vice-presidente da CNA – Central Nacional de Astrologia – Brasil e vice-presidente da Universidade Internacional da Paz, unidade Santa Catarina – UNIPAZ\SC.